sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

ENTREVISTA COM SENSEI CÍCERO MELO PARA O SITE COMBAT REAL

Sensei Cicero Melo a essência viva do Ninjutsu do passado com o homem moderno.



Sensei Cicero Líder do Clã Hosho Ryu Ninpo do Brasil

 Mestre quando o senhor iniciou nas artes marciais e qual arte? 

Minha formação é totalmente ninja. Comecei em parques públicos da cidade na zona leste de São Paulo aos dezessete anos de idade em 1994. Neste período havia pouquíssimas famílias Ninja no Brasil e a grande maioria permanecia ainda no anonimato.

Admirava todas as artes marciais, mas buscava algo que transmitisse cultura, tradição e filosofia. Uma arte que pudesse dar um significado maior em minha vida e não simplesmente ensinar o ofício da luta. Era um jovem com muita vontade de viver e transformar. Era otimista, mas também impetuoso e precisava aprender valores e entender os próprios limites.


Por que o senhor migrou para esta e qual foi seu mestre?

Nunca treinei qualquer outra arte marcial. Tudo o que sei devo inteiramente ao Ninpo. Tive meu irmão como professor, o Sensei José Melo e treinamos juntos por mais de dez anos.

O Ninjutsu surgiu na minha vida de uma maneira muito especial. Meu Sensei aprendeu secretamente e transmitia seus conhecimentos sem mencionar o nome da arte. Treinávamos duramente com paciência e determinação. Não havia troféu ou qualquer outro tipo de adorno. E o que nos mantinha unidos era somente a honra de servir e ser servido. Também ressaltava a importância da confiança e a valorização da relação mestre-discípulo.

Notoriamente, aprender a manter sigilo, respeitar hierarquia, ser humilde e grato por receber importantes ensinamentos era crucial para continuidade dos treinos. Quando questionado sobre nossas práticas, dizia apenas: “Mugei Mumei No Jutsu" que significa “Sem nome, sem arte”. - E assim, minha história começou a ser escrita.

Os anos passaram arduamente e com o tempo nossa Ryuha foi revelada. Treinava técnicas provenientes de Kyoto Ryu Ninpo. Um clã ninja pertencente à linhagem de Koga Ryu Ninjutsu e que havia sido criado em 23.04.1963 na cidade de Kyoto no Japão pelo ilustre Soke Yome Shinzato e o Shihan Ueda Otogukawa.

Nosso Soke Yome Shinzato tinha como herança familiar o estilo Koga Ryu. Contudo, também foi discípulo do Shihan Miyahira Nobugawa, mestre em Koga Ryu e pertencente à casta samurai ligada ao lendário mestre Soke Sokaku Takeda. E assim, pode aprender Daito Ryu Aiki Jujutsu e incorporar as técnicas a Kyoto Ryu Ninpo.

A família Kyoto Ryu chegou ao Brasil por volta dos anos 80 e teve como principal desbravador o Sensei Marcelo Noguchi discípulo do Shihan Massao Nakamura (Japão). Fui um dos poucos a se formar na família Kyoto Ryu, e que brevemente deixou de ser ensinado no Brasil após o falecimento do Soke Yome Shinzato.

Fundei a Hosho Ryu Ninpo com a proposta de resgatar técnicas em outrora perdidas. Unificar e aprimorar minhas experiências em Koga Ryu, Kyoto Ryu e Daito Ryu Aikijujutsu e transmitir com solidez suas tradições. Respeitar os preceitos do Ninpo e ser uma via para o conhecimento marcial e filosófico. Hosho significa “Sentinela” aquela que cuida e protege com o seu olhar, que caminha por todas as direções e esta sempre disposta a defender sua família.



O que o Senhor acha das artes marciais no mundo de hoje?

Vejo as artes marciais em constante expansão, e isso é benéfico e primoroso. - Crescer, aprimorar e multiplicar é importante para disseminação do conhecimento. Contudo, como profissionais formadores de opinião devemos também preservar as razões pelas quais as lutas foram criadas. - E isso não inclui glória ou vaidade.

Cabe aos mestres transmitir os mais jovens a pura essência do Bugei e não a falsa ilusão trazida por campeonatos. Digo e acredito que “A arte marcial somente deve ser utilizada para fins de sobrevivência e proteção”. - Jamais para incitar a violência ou supremacia.

O que acha dos novos estilos e artes que vêm aparecendo?

Oportuno. Desde que este novo estilo seja fundado por pessoas competentes.  – Criar, redescobrir e inovar é uma evolução natural e inerente ao crescimento humano.  O Ninjutsu é milenar, mas sua permanência e crescimento até os dias atuais ocorreram devido sua contextualização histórica, e incrível capacidade de adaptação a qualquer período.

Ter um método pessoal isso tira a essência da arte?

Jamais. Evoluir não significa necessariamente mudar o tradicional, mas sim, fazer prosperar aquilo que é primitivo para que não se torne obsoleto. O Ninjutsu é a arte da paciência, persistência e perseverança e irá atravessar muitos outros milênios por ser flexível e criativa. Entendo isso como uma questão de sobrevivência e continuidade.

Qual o segredo do seu sucesso? 

Perseverar. Acreditar que o amanhã será sempre melhor que hoje. Transmitir os ensinamentos que me foram revelados de coração para coração. Respeitar todos os mestres e expressões marciais e receber meus discípulos como filhos. Sou um homem simples que fez boas escolhas na vida. E que por intermédio da arte marcial transmite sua luta, sentimentos e espiritualidade.

Com este mundo mudando os métodos se atualizando o acha que possa descaracterizar uma arte?

Aprimorar uma técnica ou desenvolver outra forma de uso sob a ótica de um mestre experiente, não descaracteriza uma arte. Agregar as experiências adquiridas na vida a uma arte marcial não modifica sua pureza.

Conhecimento é sabedoria colocada em prática! Quando reservamos para si, é somente acúmulo de conhecimento. Penso que independente da trajetória do rio, o ponto final será sempre o mar. Independente do método, o objetivo final é o crescimento humano, e isso é digno.

O que vale é a essência, as razões pelas quais lutamos. Não podemos mudar seus valores e virtudes! Mais posso tornar minha arte acessível para promover o bem, assim como foi feito em minha vida.

Arte marcial cobra muito, ou pouco ou nada?

Você pode chegar até o topo, mas não significa que você é o topo. Treinar e se realizar naquilo que gostamos, é uma dádiva. Exercer com responsabilidade e qualificação não é esforço, e sim um dever moral. A arte marcial irá sempre exigir o que você tem de melhor, e isso pode ser esforço ou simplesmente bondade. Ensino somente aquilo que acredito, e constantemente sou surpreendido por pessoas altruístas, e isso renova e motiva tamanha jornada.


O que o Senhor acha da América do Sul e do Brasil em termos de arte marcial?

É notório o crescimento das artes marciais e sistemas de luta. Antigamente, quando mencionava ser instrutor de artes marciais muitos acreditavam que era um individuo sem qualificação profissional ou formação acadêmica. E escolherá o universo das lutas por falta de opção.

Contudo, isso mudou drasticamente. Vejo amigos atualizados, participativos em intercâmbio técnicos e aliados ao conhecimento científico.  Muitos promovem seminários e encontros em toda América do Sul com acessibilidade e informação. O Brasil tem sido berço de diversos encontros e seminários de artes marciais. Profissionais da Argentina, Uruguai, Chile, Colômbia e Venezuela todos ligados e defendendo o Budo, e sem qualquer preconceito.

Tenho diversos aliados em muitos países e represento importantes organizações de Ninjutsu e interestilos com respeito e competência. O Brasil é um país que desperta muitos olhares. Estamos em constante crescimento; exportamos lutadores de ponta e temos ilustres mestres na linha de frente defendendo com garra todas as bandeiras. 

A mídia televisiva e a internet valorizaram muito nossos atletas. Mostrou ao mundo que somos referência em determinados esportes e capazes de formar valentes guerreiros. Tenho certeza absoluta que através da união e do intercâmbio técnico/cultural o Brasil também assumirá posição de destaque na Arte Shinobi e as futuras gerações serão totalmente beneficiadas.

Uma mensagem para os leitores?

Existe um ditado chinês que diz: Quando o discípulo está pronto, o mestre aparece. Percebo que este pronto, é estar pronto de coração. Para ouvir e sentir a presença do mestre ao se aproximar. Porque o mestre não espera nada em troca, a não ser sua gratidão. Desta forma, deixe sempre o pensamento fluir. – Seja livre e constante. Respeite e pondere a orientação dos mais velhos.

Confie e agradeça por cada palavra, cada demonstração e pelo instante compartilhado em silêncio... Saiba que antes dele, havia outro que também acreditou e depositou suas esperanças no discípulo. E através do seu Sensei você terá contato com toda essa energia.


Viva intensamente dia após dia e em constante aprendizado! Seja humilde e reconheça seus medos e domine-os, mantendo-os sob seu controle. Seja livre e soberano como uma gaivota, e no tempo encontre o seu próprio caminho e seja o mestre da sua vida.

Hoje é domingo e uma cativante manhã de sol. Debruço sobre todas as palavras e firmo este pensamento.

"Um andarilho é um monge cheio de paz,
Não existe nada que impeça os passos de um monge.
Porque sua mente está à frente do corpo físico,
E para mente não existem fronteiras. "
Sensei Cícero Melo



Foi Uma Honra Sensei Cicero e muito obrigado.



Contato: www.hoshoryuninpo.com

Entrevista publicada em 06 de Abril de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário